Publicidade

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Trecho detonado da calçada na Av. Inajar de Souza


Há mais de 15 anos a calçada da Av. Inajar de Souza, entre as ruas Itupava e Ouvidio José Antonio de Santana - sentido centro, está em situação lamentável.

A responsabilidade da manutenção é da Subprefeitura Freguesia/Brasilândia.

Leia matéria publicada no blog em 22/08/2012: 
Calçada na avenida Inajar de Souza continua em situação precária

Resposta da Subprefeitura Casa Verde/Cachoeirinha

Abaixo a resposta da Subprefeitura Casa Verde/Cachoeirinha sobre nossa solicitação no SAC, que levou o número: 10974663 de 22/08/2012: Solicitação Cancelada

Clique na imagem para ampliar

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Aposentada perde visão após escorregar em santinhos no Jardim Peri


Rafael Italiani
do Agora
A aposentada Josefa Pereira da Silva, 64 anos, perdeu a visão do olho direito após escorregar em santinhos de candidatos jogados na calçada de uma escola no Jardim Peri (zona norte de São Paulo), na manhã do último dia 7.
O acidente aconteceu por volta das 8h. Josefa caiu de rosto no chão e, de acordo com familiares, teve deslocamento da retina.
A aposentada, que sofre de depressão, hipertensão e diabetes, estava acompanhada da neta, a estudante Liliane Angelo Martins, 17 anos.
"Na hora em que ela caiu, percebi que estava saindo um líquido branco do olho e sangrando", diz.
Ambas já tinham votado na Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Zilka Salaberry de Carvalho.
Resposta
O TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral) afirmou que "não é um órgão fiscalizador" e que a responsabilidade por esse trabalho é da polícia.
O tribunal disse não ter recebido representação em relação ao crime eleitoral de boca de urna no entorno da escola.
A PM não comentou o caso da aposentada. Disse que 50 mil policiais trabalharam no dia 7 e que 261 pessoas foram presas em flagrante por crimes eleitorais no Estado.
A prefeitura informou que o acidente ocorreu às 8h, horário em que se iniciava o trabalho de limpeza nas ruas.
A administração lamentou o ocorrido e disse que recolheu cerca de 500 t de sujeira eleitoral naquele dia.
A Secretaria da Saúde disse que a idosa foi transferida para a Santa Casa porque o local "é referência para atendimento de alta complexidade e casos de oftalmologia".
A Santa Casa disse que irá analisar o caso e que responderia depois.
  • Leia esta reportagem completa na edição impressa do Agora nesta terça, 23 de outubro, nas bancas

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Trio é preso após invadir casa e fazer família refém

RICARDO VALOTA - Agência Estado
Três assaltantes foram presos pela Polícia Militar, por volta das 21h30 desta segunda-feira (15), após invadirem uma casa, manterem uma família refém e fugirem com vários objetos na região do Mandaqui, zona norte da capital paulista.
Um comerciante, dono de um mercado, voltava do trabalho quando teve o veículo, um Ford EcoSport preto, cercado por quatro homens na porta de casa, na Rua Rozo Lagoa, na Vila Basileia. Dominado, o proprietário da casa foi obrigado e abrir a residência aos criminosos. Dentro do imóvel, o grupo dominou também a mulher do comerciante e uma universitária, filha do casal. Todos foram trancados no banheiro. Depois de 20 minutos, a quadrilha deixou o local no carro da família, levando diversos eletroeletrônicos, entre eles três TVs, três aparelhos de DVD, um iPhone e dois notebooks.
Em alta velocidade pelas ruas da Vila Nova Cachoeirinha, o veículo ocupado pelos bandidos levantou suspeita em policiais da Força Tática do 9º Batalhão, que iniciaram a perseguição. O grupo teve que parar o veículo na Odassi Nazzali após o criminoso que estava ao volante subir na calçada e atingir uma barra de ferro de contenção.
Os quatro homens correram, mas apenas um, o que estava armado, conseguiu escapar. Os demais, Maurício Henrique dos Santos, de 18 anos; Cristiano Pinheiro dos Santos, de 32; e Emerson de Oliveira, 27, foram detidos e autuados em flagrante no 72º Distrito Policial, de Vila Penteado. Segundo a PM, Cristiano tem três passagens pela polícia por roubo. Os demais não apresentam antecedente criminal.
Matéria publicada originalmente no Estadão.com.br

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Pronto-socorro infantil do Hospital Geral de Vila Penteado só funciona às quartas e quintas

DO "AGORA"

Por falta de médicos, o pronto-socorro infantil do Hospital Estadual Geral de Vila Penteado, na Freguesia do Ó (zona norte de São Paulo), só atende às quartas e quintas-feiras. Nos demais dias, os pais que procuram atendimento para seus filhos no local encontram a unidade com as portas fechadas.


Além das quartas e quintas, o pronto-socorro abre às sextas-feiras, mas apenas a cada 14 dias. Não há médicos suficientes para preencher a escala de plantonistas para os sete dias da semana.

A situação contraria resolução do Conselho Federal de Medicina que determina que prontos-socorros, públicos ou privados, fiquem à disposição da população e funcionando sem interrupções.

O hospital passou a fechar as portas do PS infantil na maior parte dos dias desde janeiro, quando a falta de médico --problema que ocorre há dois anos-- piorou.

"Os médicos vêm pedindo demissão por problemas como baixo salário, falta de condições de trabalho e até agressão de pacientes e familiares", afirmou um funcionário da unidade. "Nesse ano, houve uma debandada de demissionários", comenta outra funcionária.

Ela diz que nem às quartas e quintas-feiras, o número de médicos é suficiente. "Deveria haver pelo menos dois médicos, mas só um profissional atende, das 7h às 19h."

A dona de casa Maria do Socorro dos Santos, 40, diz que "há anos" não leva mais seus filhos, de 5, 7 e 9 anos, à unidade. "Vou em UBS, AMA e outros hospitais, atrás de médico para eles", afirma.

Segundo os pais, não adianta recorrer ao PS adulto. "Médicos de adultos não atendem crianças", avisa um funcionário da recepção.
Robson Ventura/Folhapress

CACHOEIRINHA

O Hospital Geral de Vila Nova Cachoeirinha (zona norte) também enfrenta falta de médicos. Ontem à tarde, não havia clínico-geral para adultos no pronto-socorro, segundo funcionários.

"Quem chegou hoje de manhã, entre as 7h e as 11h, conseguiu atendimento. Os últimos estão sendo atendidos agora", afirmou um funcionário, às 14h45.

Segundo os funcionários, o PS deveria contar com três médicos, mas não havia nenhum, naquele momento. Segundo o Simesp (Sindicato dos Médicos de São Paulo), o salário-base inicial pago pelo Estado é de R$ 645.

Matéria publicada originalmente no Jornal Folha de S.Paulo

Publicidade

Postagens populares