Publicidade

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Ambientalistas tentam barrar Rodoanel Norte no Congresso dos EUA

Estudo critica a forma como será feita a remoção das famílias e os impactos ambientais da obra

Bruno Ribeiro e Diego Zanchetta - O Estado de S.Paulo
SÃO PAULO - Integrantes do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam) enviaram uma petição em regime de urgência a 26 membros do Congresso Americano para tentar barrar o financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) da obra do Trecho Norte do Rodoanel Mário Covas.
Os ambientalistas se baseiam em um relatório feito por um grupo de estudos da Universidade de Berkeley, na Califórnia, que critica a forma como será feita a remoção das famílias na área atingida pela obra e os impactos ambientais da empreitada.
Uma petição parecida, feita com apoio de pesquisadores mesma universidade, já conseguiu barrar a construção de uma avenida que cruzaria a zona norte, em 1987: uma das fontes de recurso do BID é o Tesouro americana, cujo repasse de verbas pode ser contestado pelo Congresso daquele país.
No caso das obras do Trecho Norte, os contratos com as empresas que farão as novas pistas já foi assinado - a ordem para início dos serviços será dada nos próximos dias.
Estudantes de Berkeley estiveram no Brasil na semana passada, segundo o Proam. Eles questionaram a falta de definição para destinação de pessoas que moram na área de forma irregular - sem documento de posse de seus imóveis - e possíveis impactos ambientais que a construção da pista trará. A obra deve movimentar cerca de 50 milhões de metros cúbicos de terra, o que, segundo o Proam, pode comprometer o abastecimento de água das 9 milhões de pessoas que dependem do Sistema Cantareira.
"Toda essa terra vai escoar para a calha do Tietê. Para uma cidade que vive alagada a cada chuva, é inaceitável um impacto desses novamente. Isso pode agravar nossas enchentes", contou ao Estado o professor Mauro Vitor, conselheiro do Proam
A estatal Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) questiona as informações passadas pelos ambientalistas e se diz aberta a receber o pesquisadores da faculdade norte-americana. "Quando soubemos desse estudo, procuramos a universidade e convidamos os estudantes a nos encontrar", disse o presidente da empresa, Laurence Casagrande Lourenço.
A Dersa afirma que 95% dos moradores de áreas afetadas pela obra já foram cadastrado e que nenhum deles ficará sem lugar para morar por causa da obra. "Demos a opção de indenização ou moradia na CDHU", afirma Lourenço.
O presidente diz ainda que o traçado da obra, ao sul da Serra da Cantareira, foi escolhido, entre outros motivos, justamente para evitar que os trabalhos comprometam o abastecimento de água da região.
A reportagem tentou contato com a assessoria de imprensa do BID em Brasília para tratar do assunto, mas a assessora não ligou de volta após os recados deixados.

Matéria publicada no jornal Estado de São Paulo

Publicidade

Postagens populares